terça-feira, 26 de maio de 2020

Ana Cristina


Cansado de ficar em casa vendo seus pais nem sequer interessados em saber se estava feliz ou não,Júlio começou a frequentar o grupo jovem da igreja perto de casa.
Todo dia iria à noite para encontrar os amigos e conversarem e até ajudar na Igreja Cristo Redentor,especialmente nos domingos.Quando um certo dia,ao começar e terminar a missa das 18 horas,via uma garota que lembraria da época quando estudava no Escola José de Alencar.
Ela se chamava Ana Cristina,onde vinha sempre nas missas com o irmão menor e seus pais.
Júlio aos poucos,começou a sentir uma atração e uma vontade grande em conversar com Ana Cristina.
Num domingo,muito nervoso,criou coragem e quando saia da missas das 18 horas,Ana Cristina desceu a escada e olhando para Júlio,ele chegou perto dela e puxou conversa:
- Oi Ana Cristina...posso falar contigo ? disse Júlio quase gaguejando.
- Olá sim! Ana sorrindo...
- Se lembra de mim do José de Alencar?
- Ah sim me lembro. Como vai ?
- Tudo bem! Bem...Ana você gostaria de sair comigo para o cinema e comer algo para conversarmos melhor do que aqui ? perguntou Júlio quase gelado de nervoso.
- Sim! Sim! Gostaria! quando ?
- Próximo domigo depois da missa ?
- Sim! Pode ser!
- Ok combinado então!
- Sim combinado! agora preciso ir por causa dos meus pais! tchau beijo!
- Tchau beijo! 
Júlio enlouquecido ficou subindo e descendo as escadas numa euforia falando aos amigos do grupo jovem:
-Yeah!!! Porrra!!! consegui!! vou sair com a Ana Cristina!
- Parabéns Júlio! disse os amigos
Júlio foi para casa e super animado com o ego inflamado,pois venceu seu medo,nervosismo e baixo auto-estima.
Durante a semana toda domingo,Júlio estava tão ansioso que não dormia direito de expectativa.
Chega domingo,Júlio tomou banho,perfurmou-se e saiu bem cedo para o encontro na Igreja Cristo Redentor.Chegando lá,ele não viu a Ana Cristina e entrou durante a missa e viu a na primeira fileira com seus pais,Júlio voltou para a escada para esperar a saída dela.
Termina a missa e começa a sair as pessoas e Júlio nervoso para encontrar com ela,mas viu os pais sairem e nada de Ana Cristina. Então Júlio entrou de novo dentro da igreja e viu ela,quando Ana viu que Júlio viu ela,Ana foge pela lateral da igreja com seu irmão.Júlio foi atrás,mas ela percebendo,foge pelo outro lado da igreja correndo para o estacionamento e entrando dentro do carro.
Júlio ficou tão arrasado que foi para casa e não falou com ninguém e nem comia direito perdendo quase 5 kilos.
Júlio apaixonado e determinado,sabia a rua onde ela morava e andou para cima e pra baixo para encontrá-la e nada.
Passado um tempo,um amigo chamou e disse para Júlio:
- Júlio esse é o Beto e conhece a Ana Cristina.
Júlio contou o que tinha acontecido e o Beto disse:
- Cara! ela faz isso com todos!Fez comigo também!
Júlio desanimado procurou esquecer mas essa ferida nunca iria cicatrizar

sexta-feira, 15 de maio de 2020

O amigo chinês

Em 1984,Cristiano estudava na escola municipal José de Alencar para recuperar o ano perdido,mas preocupado com as amizades que afetaram muito tendo problemas nas aulas e com isso repetido de ano.
Nos primeiros dias,Cristiano percebia que os amigos era legais e logo entraria para uma "gangue" onde tudo era brincadeira mas se alguém de fora se metesse zombando um dessa "gangue",esses amigos logo o defendiam.
Logo percebeu que tinha na sala um garoto de olhos puxados e falando português um pouco enrolado e o conheceu:
- Oi como se chama ?
- Olá me chamo Wu Yong 
- Como ???
- WU YONG!!!
- Você é de onde ?
- Sou chinês
- Cara o que você faz no Brasil ?
- Estudando o mesmo que você!Porra!
Cristiano riu e viu que Wu tinha um bom humor mas não era só isso. Nas aulas de matemática ,Wu se destacava de uma maneira incrivel na 6ª série,até um dia a professora chamou para o quadro negro para resolver uma equação e em minutos resolvia sempre dizendo:
- Muito fácil!Muito fácil!
A professora espantada perguntou:
- Wu,na China como são as aulas de matemática para eu ter uma idéia?
- Professora,aqui vocês estão tão atrasados que na China já aprendemos álgebra na infância!
O chinês então quando fazia as provas,terminava em minutos e sempre dizia ao entregar:
- Muito fácil!Muito fácil!
Wu só tirava 10! Nunca 9,9 ou 9,5,sempre 10!
Nas aulas de francês,o professor fazia a sala cantar algumas músicas em francês e a "gangue" aproveitava para tirar um sarro do chinês:
_Frère Jacques....Frère Jacques....Dormez-vous?....Dormez-vous?, cantando essa parte para o chinês por causa do seu nome e ele sempre respondia:
- Vai tomar no cu!! vai tomar no cu!!!
Anos passaram e cada um seguiu o seu caminho até um dia,o chinês Wu Yong tocou na portaria do prédio onde Cristiano morava e se lembrando foram para o playground e lá conversaram e jogaram bola:
- E ai Wu o que tem feito ?
-Trabalhando com meu pai na tinturaria
E Cristiano mostrou algumas revistas dos Beatles e Wu sempre dizia:
- São muito feios!
A conversa ficou mais séria quando falaram sobre a vida no Brasil e na China e Wu disse bem sincero e duro:
- Eu não entendo vocês brasileiros,porque querem comunismo? na China não são somos donos nem da nossa alma,imagine ser dono de sua vida,trabalho ou dinheiro. O governo só dá para gente migalhas e se reclamarmos,nos matam! Tudo pertence ao governo até a nossa vida! Procure um chinês que sorri,pois aprendemos a ficar calado desde que nascemos se não eles nos matam!
Aquilo deixou Cristiano tão sem palavra que não conversaram mais e nunca mais ele viu o seu amigo chinês.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Deus o seu verdadeiro pai

Em mais um dia,Lucio foi ajudar seu pai na padaria,mesmo não ganhando nada nem um obrigado e ficou desta vez atrás do balcão onde aparecia alguns comerciantes amigos da área em Copacabana,quando chegou o português José dono de uma quitanda:
- Boa tarde já está ai pra ajudar seu pai ?
- Sim seu José que posso fazer?
Seu José sempre vinha com piadas e mexia com pai do Lucio que era sempre quieto raramente se via uma risada no rosto dele.
Seu José tinha uma filha linda com cabelos pretos lisos,branquinha de olhos azuis e mais tarde ela apareceu na padaria e logo Lucio largou tudo pra atendê- lá.
- Olá que queres? 
- Me dá 100 gramas de pão de queijo.
Lucio estava pesando mas não tirava os olhos da garota até chegar seu José que era seu pai.
- Essa é a minha filha Isabele 
E quando Isabele pagou o pão de queijo e foi embora seu pai falou com Lucio baixinho. 
- Vou tentar juntar vocês dois ,que tal seu Manoel?  Dizendo ao pai do Lucio. 
Lucio estava feliz pois já era um bom motivo pra vim trabalhar na padaria pois além de não receber nada seu pai ainda humilhava Lucio na frente dos fregueses.
A maioria do tempo quando Lucio ficava atrás do balcão ficava olhando pensativo na área vendo como os pais tratavam seus filhos de forma diferente sendo mais carinhoso e agradável.
Quase ao meio dia apareceu seu Joaquim dono do açougue que ficava do outro lado da calcada de frente a padaria e seu Joaquim apareceria sempre fumando um grande cachimbo:
- Olá garoto cadê seu pai? 
- Está lá em cima no escritório 
- Então depois eu falo com ele 
Quase saindo chegava seu filho ,se chamava Alexandre conhecido como “variguinho". Alexandre sempre aparecia em Copacabana com uma prancha de surf e pedia dinheiro ao pai e a chave do carro que seu Joaquim logo dava:
- Meu filho Alexandre sempre está com uma garota,você tem que arruma uma também ou mais de uma ! Disse seu Joaquim rindo.
- Ele estuda ou te ajuda no açougue?
- Não que nada! Toca bateria numa banda de rock e gosto que ele aproveita a vida! Dinheiro é para isso! Até mais tarde!
Lucio então acompanhava triste todo dia vendo o filho do açougueiro vindo pega a chave e o dinheiro com seu pai com a prancha de surf e ir até a praia de Copacabana enquanto seu pai dava alguns trocados mesmo exigindo por ter ajudado o. Seu pai dizia que ele estava ali para pagar a comida que comia em casa que só tinha obrigação de sustentá-lo até os vinte um anos. 
 Anos se passaram depois da venda da padaria e Lucio cuidou de seu pai até sua morte e num certo dia saindo pra almoçar numa churrascaria esbarrou com Alexandre:
- Fala cara! Quando tempo? 
Lucio estranhou pois ele nunca falava com ele.
- Oba e aí?
- Cara você tem como me emprestar uns trocados pois eu preciso ir a delegacia pois me tomaram o meu carro e pediram dinheiro pra liberar.
Lucio percebeu que Alexandre além de está com bafo de cachaça seus olhos estavam bem vermelhos dizendo nada de concreto:
- Desculpe não tenho só da passagem do metrô que vou pegar agora. 
- Pó!cara! Seu pai tinha padaria e você vive do que ?
- Empresário do mercado imobiliário 
- Então! Como não tem ?
Lucio foi saindo fora e se despediu do Alexandre mas cruzou com ele várias sempre pedindo um dinheiro. 
Lucio logo descobriria através de uns amigos da igreja que Alexandre tinha se envolvido com drogas e era viciado também em beber que já havia sido preso algumas vezes e a garota dos olhos azuis a Isabele tinha engravidado de um cara bem de vida socialmente com intenção de viver de pensão mas o filho não era do cara tendo de pagar até o processo e indenização .
Lucio depois de saber tudo isso e o que passou vendo como sua vida era segura e honesta ,mesmo sozinho ,entrou na igreja e disse:
- DEUS é muito pai! 

terça-feira, 3 de setembro de 2019

O pipoqueiro português

Todos os domingos,Celeste levava os filhos Bruno e Ana para passear à noite pela praia de Botafogo,uns dos raros momentos de entretenimento da família e sempre paravam ou no Bob's para tomar um sorvete de baunilha com biscoito waffle ou paravam no pipoqueiro que ficava parado sempre na porta da antiga Sears,que agora se chama Botafogo Praia Shopping.O cheiro era viciante pois tinha pipoca salgada banhada com manteiga ou pipoca doce com muito caramelo e num domigo Celeste e os filhos pararam para comer:
-Olá boa noite tem pipoca de quanto?
-Tem de 1...2...4 cruzeiros 
-Ok me dá de 1 cruzeiro
-Salgada ou doce?
-Misturada mas com pouca pipoca doce por cima.
-Tá bom
A Celeste percebendo o forte sotaque que relembrava de onde veio perguntou:
-O senhor é português?
-Sim e percebo que a senhora também é pois nós sempre reconhecemos 
-Sou transmontana
-Bonito lugar! sou de Carrazedo de Anciães
-Cheguei aqui em 55. disse a Celeste
-Eu cheguei em 50. disse o pipoqueiro
Conversa vem conversa vai o pipoqueiro contou sobre sua vida:
-A senhora sabe que eu cheguei aqui com uma mão na frente e outra atrás como todos nós vindo da terra e consegui arrumar um serviço e com o dinheiro que ganhei comprei uma carrocinha de pipoca,comprei minha casa,comprei meu carro,montei minha familia e criei meus filhos tudo com essa carrocinha.
-O senhor voltou a visitar lá ?
-Sim fui duas vezes em Portugal mas prendendo voltar de vez.
-Porque ?
-Porque eu trabalhei muito para chegar aonde eu cheguei aqui no Brasil vendendo pipoca mas o brasileiro é um povo invejoso e a senhora sabe o que nos chamam aqui ? de ladrão! e os políticos que nada fazem por nós ainda dão razão a esse povo.
A Celeste com olhar pensativo,sentindo na pele pegou o saco de pipoca e pagou ao senhor.
Mesmo depois de algumas vezes comprando dele,um dia ele não apareceu mais e nunca mais foi visto na porta da Sears.

terça-feira, 30 de abril de 2019

O "inútil"

Desde de pequeno Hélio sentia a falta da presença de seu pai ,apesar que vivia com ele mas a sensação era ter sido largado.
Ele corria para a porta todos os dias quando ele chegava do trabalho às 11 da noite ,esperando algum afeto por ele mas entrava, sentava, comia, depois de trocar de roupa iria assistir TV mas logo dava boa noite a esposa para dormir.
Ele trabalhava duro de domingo a domingo e tinha uma folga por mês mas depois de alguns anos  voltava domingo à tarde para casa mas chegava e descansava um pouco.
O lazer da família era dá uma volta de carro pela orla do Rio de Janeiro .
Anos foram passando sempre desta maneira mas nenhuma vez seu pai entrava no quarto para perguntar se estava tudo bem ou triste ao filho Hélio, nem brincava com ele em casa ou no parque.
Depois de anos de insistência de tentar chamar atenção do pai de forma as vezes bruta, seu pai começou a desprezar mais o Hélio com xingamentos e frases que desmotivava o e uma ficou sempre corriqueira chamando de “inútil “. Tinha vezes que chamava Hélio mais de “inútil “ do que por nome. Qualquer coisa era “você é um inútil “ ou “faça isso o inútil “ ou “vem cá o inútil”. Hélio mesmo assim cuidou do pai até a morte.
Depois Hélio estava vivendo com sua mãe, uma pessoa desprovida de amor e carinho aos filhos parecendo mais uma empregada que cozinhava e lavava sem se preocupar se o Hélio estava feliz ou triste mas não era rude como seu pai.
Passando os anos depois de dois acidentes domésticos e uma operação com sua mãe, ela adoeceu rápido sendo levada as pressas num táxi para o hospital mas não resistindo.
Hélio hoje em dia vive sozinho e carente ,mas o “inútil “ que cresceu escutando isso sempre do seu pai além de ter cuidado dele e de sua mãe até a morte ainda cuidou do patrimônio chegando a aumentar em poucos anos.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Hoje é dia de rock!

Sábado de sol no Rio de Janeiro e de manhã quase chegando a tarde,Bruno é acordado pela mãe:
- É o Alex no telefone! 
Com voz de sono :
- Fala...
- Aí bicho coloca uma roupa pois vou passar por aí para te pegar e trás a guitarra ,amplificador, microfone...tudo pra cá! 
- Ok porque?
- Estou sozinho em casa aqui na Barra e está um saco e vamos fazer barulho!
Passado uma hora , Bruno desce com tudo e coloca no carro pegando caminho para a casa do Alex na Barra escutando Soundgarden. Chegando Alex conta o seu plano:
- Cara vamos tocar e fazer barulho pois ontem teve uma festa aqui na frente do meu prédio que tocaram pagode e funk até de manhã cedo e alto pra cacete então quero dar o troco!
Então Alex e Bruno aos risos começam a montar os amplificadores com Bruno na guitarra e Alex no baixo com microfones para cantar tudo na varanda do apartamento de frente para o prédio vizinho na silenciosa Barra.
 E o rock começa a rolar ao som de Ramones e Nirvana tocando Territorial Pissings brindando com cerveja direto que nem água .
E a tarde cai e começa a noite ao som de Black Night e Running Free do Iron Maiden com chão cheio de latinhas de cervejas vazias.
Entra a madrugada já bêbados, Alex e Bruno ficam fazendo uma jam e uma janela do prédio da frente se abre e aparece um cara gritando:
- Porra! Vão tomar no cu! Desliga essa merda!
Mas como todo bêbado é surdo e com a cabeça cheia de cerveja não pararam e ainda brindaram o fígado com a vodka Natasha e cantam bem alto a música Don't Let Me Down.
Mas como ninguém é de ferro param e vão dormir apagando na cama que nem pedra!
No outro dia acordam no começo da tarde com o gosto de cabo de guarda chuva na boca e uma ressaca tremenda vão tomar café e Alex fala para Bruno:
- Cara a gente fez tanta zoeira ontem na varanda que estou com medo de aparecer lá. 
E Bruno responde: 
- O difícil é lembrar de algo pois a gente bebeu que nem dois gambás.
- Sim mas demos o troco o cara estava muito puto! Hahaha! 

domingo, 6 de janeiro de 2019

Pipocando

Em um dia de domingo aproveitando que seu pai estava em casa descansando do trabalho,Luís decidi agradar seu pai preparando um pouco de pipoca a noite.
Luís então untou a panela com manteiga e quando derreteu colocou o milho e fechou a tampa.
Depois de ter feito um pouco de pipoca salgada decidiu fazer doce jogando açúcar na panela no fogo brando fazendo um caramelo e jogou uma pouco da pipoca e misturou fazendo 2 pratos.
Sua mãe veio na cozinha para ver o que estava acontecendo:
- O que você está fazendo ?
- Eu fiz um pouco de pipoca doce e salgada para o pai para ver o que ele acha e se gostou. 
- Depois você vai ter que limpar tudo.
- Ok
Então depois de esperar a mãe ir para o quarto onde seu pai estava assistindo TV,Luís então levou os 2 pratos.
- Eu trouxe para senhor um pouco de pipoca que eu fiz 
Seu pai pegou um pouco e comeu :
- Que bom ! Já sabe fazer algo eu já posso te colocar para fora da porta de casa.

Ana Cristina

Cansado de ficar em casa vendo seus pais nem sequer interessados em saber se estava feliz ou não,Júlio começou a frequentar o grupo jovem ...