sexta-feira, 11 de agosto de 2017

A vida entre duas calçadas



A vida passa rapidamente para o Jorge que experimenta ficarem alguns dias como dono da Padaria em Copacabana, a princesinha velha e desgastada do Rio de Janeiro, enquanto seu pai corre para Portugal para visitar sua mãe que estava à beira da morte, sem levar Jorge para conhecer a sua avó, porque seu pai achava que iria envergonhá-lo.

Em um dia raramente calmo, dois quarteirões da “boca maldita”, Jorge chega à porta da padaria para olhar o movimento na rua, pensando na vida o que fazer e se aquilo traria algum prazer, quando olha e percebe o portão da portaria do prédio abrindo e saindo duas pessoas carregando um caixão e Jorge pergunta ao porteiro:

-Zé! Quem morreu?

-Foi aquela senhora do 302! Morreu dormindo.

No exato momento acontecia no outro lado da calçada em um bar pé sujo uma festa com cinco homens com muita cerveja onde o aniversário era do filho do traficante da área que fazia cinco anos e seu pai fazia questão que o filho tomasse a cerveja dizendo:

-Yeah! Isso toma um gole para virar homem!

Jorge retorna para dentro da padaria,guardando em sua memória essas cenas paralelas como um aviso de um professor da vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Procurando Ana Cristina na Rua Alice

Fim de tarde de domingo tranquila e Adalberto sai de casa para ir à Igreja Cristo Redentor para encontrar os amigos do grupo jovem de te...